Tendência do Futuro: Compra por Voz!

Sabemos que o e-commerce é uma ótima estratégia para proporcionar experiências inovadoras para o consumidor, oferecendo mais conforto e praticidade na compra. Além do mais, é um ótimo aliado para impulsionar o varejo tradicional. A nova fronteira a ser desbravada é a de compras por voz, uma das tendências do comércio eletrônico para os próximos anos!

A consultoria britânica OC&C prevê que as compras por voz movimentarão US$ 40 bilhões até 2022, um salto considerável em relação aos US$ 2 bilhões que movimentam atualmente os EUA e Reino Unido.

Você já se imaginou comprando um produto apenas com a sua voz, sem precisar fazer esforço algum? Pois é, essa realidade não está muito longe de acontecer, o mercado americano está apostando bastante nessa ideia!

O aumento acontecerá, principalmente, pela multiplicação dos assistentes de voz nos próximos anos. De acordo com o relatório da consultoria inglesa Juniper Research, estima-se que existirão oito bilhões de assistentes de voz em uso até 2023, contra os 2,5 bilhões de assistentes utilizados até o final de 2018.

Imagem ilustrativa remetendo compras por assistente de voz.

John Franklin, sócio da consultoria OC&C relatou: “O comércio por voz representa a próxima grande inovação no setor de varejo e, assim como o e-commerce e o social commerce mudaram o cenário do varejo, as compras através de assistentes de voz prometem fazer o mesmo.” 

Isso só mostra que a velocidade de consumo irá proporcionar novos desafios e estratégias para as marcas se manterem atuais, visto que os novos consumidores desejam experiências inovadoras.

Em meados de 2018, a Skol Beats lançou sua própria assistente pessoal, a Smart Beats. O dispositivo tem o mesmo formato da garrafinha de bebida e responde aos comandos de voz do proprietário.

O gadget (dispositivo eletrônico) foi idealizado e criado pela agência W+K SP em parceria com a produtora MediaMonks e permite que o usuário sincronize com seu celular e redes sociais para facilitar a programação. Entre as funções da Smart Beats estão indicar baladas do dia, dicas de look, enviar mensagens para os contatos, sugerir playlists, entre outras atividades ligadas à vida noturna. Ela também integra com serviços como Uber, Watson, TTSGo e Twilio. Incrível, não é mesmo?

O Grande Desafio…

O comércio ativado por voz é usado pelos clientes como um canal direto de vendas, e não como uma experiência de navegação e pesquisa.

70% DAS COMPRAS SÃO REALIZADAS POR CONSUMIDORES QUE SABEM EXATAMENTE O QUE QUEREM

De acordo com a Juniper Research, isso acontece porque a experiência de navegação em lojas online fica prejudicada quando é feita por voz. Fazer compras por voz não é uma experiência visual. Ela exige que os produtos sejam selecionados apenas ouvindo uma descrição em palavras, o que limita significativamente o trabalho da navegação.

Embora possamos falar mais rápido do que digitar, é mais intuitivo ler rapidamente uma lista de resultados sobre um produto do que ouvi-los, com detalhes sobre preços em um assistente de voz. Assim, comida e itens com marcas muito conhecidas, como eletrônicos, são as categorias mais relevantes para as compras por voz atualmente.

Outro desafio para a consolidação das compras por voz é em relação à segurança e privacidade dos dados pessoais do consumidor. Um estudo da Microsoft indica que 41% dos donos de dispositivos inteligentes dizem se preocupar com a privacidade de seus dados e a escuta passiva dos aparelhos, ou seja, quando o aparelho está “ouvindo” o que o consumidor está falando antes mesmo de ser acionado.

Imagem ilustrativa remetendo compras por assistente de voz.

Embora esse nicho de compras por voz seja pequeno, é bastante utilizado pelos consumidores modernos. Não é à toa que as grandes marcas estão se adequando a esse novo formato!

Se mantenha atual…

Mesmo que a fatia do mercado das buscas e compras por voz ainda seja pequena no Brasil, ganhar e manter a visibilidade nas plataformas ativadas por voz será essencial para se manter competitivo no futuro. As marcas que não querem ficar para trás no comércio eletrônico precisam se preparar desde já.

Uma pesquisa realizada pela Uberall com 73 mil negócios, entre pequenas, médias e grandes empresas, mostrou que a maioria não está pronta para ser encontrada por voz. Segundo a pesquisa, apenas 4% dos negócios estão otimizados para pesquisas e compras nessa modalidade de navegação.

Hoje, quando um consumidor pronuncia um comando como: “OK Google / Hey Siri / Alexa, coloque um quilo de café na minha lista de compras”, a consulta retornará apenas um resultado de cada vez. Isso significa que apenas uma empresa aparece em destaque e terá uma vantagem competitiva. A marca de café que estiver mais bem posicionada, ou que tiver fechado parceria com os varejistas, será a primeira a ser mostrada ao consumidor.

Seja um dos pioneiros dessa tendência!

É notável que as empresas ainda estão se preparando para as assistentes de voz, mas existem marcas que já estão atuando nesse meio, como é o caso do Google e da Amazon. Além de trabalharem com esse serviço, elas também compartilham a plataforma para ser implementada em e-commerces.

Ainda não existe uma fórmula secreta para as assistentes virtuais, pois no mercado brasileiro é pouco utilizado pelas marcas. Mas sabemos que é necessário reformular todo o catálogo do seu negócio, visto que os produtos serão descritos para serem comprados por voz, tornando a compra mais específica.

Separei algumas dicas para você levar em consideração e começar a vivenciar essa experiência por voz. Confira!

1 Ajuste o seu SEO para voz. É quase impossível usar as buscas no assistente de voz da mesma forma que na escrita. É comum ver alguém tratando o assistente de voz como uma pessoa, inclusive usando “por favor” e “obrigado”. 

Por exemplo: se você precisa comprar fraldas, faz uma busca por “fraldas” ou até “fraldas perto de mim” no Google. Com o assistente, você perguntaria “Onde posso encontrar fraldas o mais perto possível?”. 

É para essa diferença que precisamos nos preparar, utilizando muito mais estratégias longtail (ser mais pontual na solução do cliente) que demonstram a intenção do usuário.

Descrições de produtos também precisam ser repensadas para serem simples e diretas. Assistentes já tendem a focar em informações mais curtas devido ao fato de que ninguém quer ouvir algo muito longo.

2 – Comece a experimentar aplicativos como a Alexa para iniciar o processo criativo de como você pode ajudar o cliente. A Johnny Walker fez um aplicativo fantástico que auxilia a pessoa a escolher o melhor scotch, além de tirar dúvidas e contar a história da marca.

3 – Inscreva-se para o Google Shopping Actions para mostrar seu interesse em comercializar produtos pela plataforma do Google Express.

4 – Fique de olho nas tendências de compras e buscas por voz. Você pode ter produtos e até serviços que têm um fit (perfil) perfeito com essa nova forma de interagir com o consumidor.

E então, essa tendência se encaixa no seu negócio? Conte para gente o que achou deste artigo. Adoraremos saber a sua opinião!

Write a comment